Site IGR

Tomografia Computadorizada

O exame de tomografia computadorizada utiliza um equipamento emissor de raios X e um sistema de detectores – podendo variar de um único detector até centenas deles - para a formação das imagens da estrutura corpórea sendo estudada. Os fótons de raios X emitidos pelo equipamento são atenuados de maneiras diferentes pelos diversos tecidos e estruturas do nosso corpo, o que possibilita uma grande diferenciação de contraste entre estas estruturas, facilitando o diagnóstico e a correta localização de possíveis anomalias. Durante o exame é possível perceber que o equipamento realiza giros ao redor do paciente ao mesmo tempo em que a mesa se desloca para a aquisição das imagens. Esse mecanismo, chamado de helicoidal, permite que um grande volume de tecidos seja imageado em um tempo relativamente curto, trazendo mais conforto e diminuindo a probabilidade de movimentos do paciente durante a realização do exame. A utilização de computadores para a manipulação das imagens adquiridas permite que essas sejam processadas em diferentes planos ortogonais, com diferentes espessuras de corte e até mesmo em três e quatro dimensões (3D e 4D). Para se ter uma idéia um exame de tomografia computadorizada de múltiplos cortes adquire até 6000 mil imagens em poucos segundos de aquisição, como é o caso da angiotomografia das artérias coronárias.

Os tomógrafos computadorizados da Clínica Villas Boas são os mais modernos disponíveis hoje no mercado. O equipamento PHILIPS Brilliance iCT de 256 cortes (Tomógrafo Computadorizado Multi-Slice), possibilita que um exame de corpo inteiro seja adquirido em até 20 segundos, com detalhamento submilimétrico das estruturas. Outro detalhe que diferencia este equipamento de última geração dos demais é o de utilizar uma técnica radiológica específica para cada paciente, levando em consideração seu peso, sua altura e a área da superfície corpórea (BSA). Este recurso, além de manter a mesma qualidade de imagem independente das características físicas do paciente, otimiza a aquisição e faz com que a quantidade de radiação X utilizada seja suficiente para a obtenção do diagnóstico, evitando assim exposições desnecessárias. Em outros termos, a técnica de aquisição é individualizada e precisa.